A DIVERSIDADE, ADVERSIDADE

Por Regina Bomfim


Cada pessoa dá o que tem. Ninguém pode dar além do que tem. Dizer isso não é diminuir o outro, mas reconhecer que cada pessoa tem um universo no qual possíveis desencontros entre tantas diversidades é uma fatalidade. É por isso que o diverso perturba tanto. Sartre falou que o inferno são os outros - Por que quando estou só as gavetas da minha alma estão arrumadas, mas chega o outro e desarruma tudo? O grau deste desconforto pode assumir várias intensidades até até o drástico aniquilamento daquilo que é diverso.

As várias guerras ao longo da história da humanidade, a idéia de que somente um pode ter o monopólio econômico, do conhecimento, da beleza, da fé.. E assim grandes muros são construídos, afinal, só pode existir um vencedor. Nas relações diárias, numa discussão há o lugar daquele que "tem razão", daquele que dá a "última palavra". Mágoas são perpetuadas em função de um diferente inaceitável.

O diverso é uma questão poítica, econômica, social, intelectual, emocional, biológica, ecológica e espiritual que a humanidade terá um dia de se voltar, discutir abertamente sem os subterfúgios da retórica pois a segregação, o aniquilamento e o autoritarismo são meios cada vez mais ineficazes de lidar com o diverso natural que somos frente ao mundo. Existir num mundo que prega a homogeneidade, o "imperativo categórico" de Kant é o desafio de uma vida porque é um constante convite à escolha entre o "fundamentalismo" e a flexibilidade fruto de uma reflexão crítica.

O que costumamos sentir, fazer quando alguém discorda do que pensamos? E quando alguém age errado conosco? Será que está na possibilidade desta pessoa agir diferente? Qual a sua "bagagem", a sua história para agir do modo que agiu? Talvez isso nos ajude a pensar sobre as "correntes'"de mágoas e ressentimentos que arrastamos  por vermos apenas um ângulo da questão, assim como as diversas mensagens que o mundo nos traz. Será que a nobreza e a integridade que tanto reivindicamos dos outros está em nós? A diversidade pode provocar adversidades, mas também outras possibilidades. É um exercício aprender a enxergar os diferentes ângulos daquilo que nos afeta.

O psicólogo onde quer que atue tem como permanente instrumento de trabalho a sua capacidade de ouvir. Ouvir o que é dito e também o que não é dito. Ouvir sem preconceitos para facilitar e tornar a comunicação cada vez mais genuína para que aos poucos o indivíduo/grupo comece a ensaiar,  sentir, e pensar que é possível novos caminhos. Isso é belo.

Comentários