Consultor Externo faz o papel de RH do RH - Profissionais de recursos humanos buscam ajuda para repensar carreira







Quando profissionais do setor de recursos humanos (RH) estão propensos a repensar sua carreira, insatisfeitos com o clima da equipe ou com a chefia, quem eles procuram? Afinal quem faz o papel do RH do RH? O Boa Chance foi investigar essa questão e descobriu que sem terem a quem recorrer, esses profissionais começam a contratar o serviço de coaching, inicialmente pra reavaliar o seu papel. É um processo em que um consultor orienta a pessoa para alcançar os seus objetivos.


-Quando era gerente de RH de uma empresa, uma vez perguntei a uma consultora quem era o RH do RH. Foi o mesmo que perguntar quem era o terapeuta do terapeuta. Ela não repondeu e apenas sorriu, porque naquela época não se falava em coaching. Hoje, vejo profissionais procurando esse serviço. O RH também tem conflitos a serem resolvidos - observa Jacqueline Resch, sócia-diretora de Resch Recursos Humanos.

Laura Cirne, sócia diretora da LCirne já atendeu profissionais de RH que contratam o serviço por conta própria. Segundo ela aliás essa demanda é cada vez maior.

- O setor de recursos humanos é quem aplica coaching nas empresas. Mas seus funcionários não têm quem faça o mesmo com eles. É como se esses profissionais tivessem que estar sempre prontos e aperfeiçoados.

Laura afirma que por enquanto, a principal preocupação desse pessoal é com o desempenho:

- Eles se acham pouco estratégicos e querem repensar isso, porque o papel do RH está mudando. Antes, o setor era mais reativo, se limitava a tender as demandas de outras áreas, como rever cargos, salários, contratar alguém. Atualmente, esse leque é mais amplo. O RH se vê como ator fundamental no negócio, orientando os gestores para as melhores práticas, fazendo planejamento de sucessão etc.

Ana Cláudia Motta, gerente de Gente e Gestão da João Fortes Engenharia, procurou o serviço com esse propósito.

- Fui convidada pela empresa para implementar a área de RH. Como a companhia tinha acabado de sair de um controle familiar, um dos desafios era estruturar esse setor, que não existia. Sou uma profissional de nível superior, mas num empresa totalmente familiar você pode encontrar resistência de funcionários antigos - conta Ana Cláudia, explicando porque contratou coaching.- Na verdade, isso é uma troca de experiências. Quando participamos de congressos, essa troca é muito rápida.

O coaching já é uma prática muito difundida nos Estados Unidos, mas relativamente recente no Brasil. O nome vem do inglês coach, técnico que acompanha o desenvolvimento de um atleta. Um coaching de carreira, por sua vez pode ajudar um gerente com dificuldade para gerir equipes.
José Augusto Figueiredo, vice-presidente de Desenvolvimento de Negócios da DBM, que tem o coaching como principal serviço, acha natural que profissionis de recursos humanos também recorram a essa ferramenta:

- Como eles vão recomendar um processo de coaching na empresa se ainda não experimentaram?

Para Figueiredo, o serviço ganha importância num mundo que está cada vez mais complexo nos negócios:

- O processo ajuda as pessoas a se conhecer e a perceber em que contexto está inserida. Ela passa a ter outras perspectivs em realção ao futuro.

Fonte: Jornal O Globo - Caderno Boa Chance dia 26/04/2009

Comentários